A Glândola Tiroideia

É tarefa difícil propomo-nos apresentar um trabalho sobre um tema explicado de forma tão clara e profunda, como este o tem sido pelos nossos Professores. Não obstante, decidi fazer o trabalho e partilhá-lo convosco com o objectivo de recordarmos o que nos tem sido ensinado, e tirarmos o máximo do ensinamento recebido.

Como definição a Glândula é um órgão cuja função é segregar substâncias com uma função predeterminada. A substância segregada pode sê-lo no interior do sistema circulatório e é designada como Glândula Endócrina ou no exterior do referido sistema e trata-se de uma Glândula Exócrina. Há glândulas, como por exemplo, o Pâncreas que têm as duas funções, i.e. como Endócrina produz hormonas entre elas a insulina e como Exócrina é responsável pela produção de enzimas digestivas que participam como adjuvantes da digestão das proteínas.

As Glândulas Endócrinas são:

-Glândula Pineal

-Glândula Hipófise

-Glândulas Supra-Renais

-Pâncreas

-Timo

-Ovários e Testículos

-Glândula Tiróideia

Glândula Pineal

A Glândula Pineal foi ignorada durante muitos séculos por não se identificar a sua função. Só nos anos 50 do Sec. XX os cientistas descobriram que ela percepciona a luz e produz melatonina.

A melatonina é uma hormona produzida em ambiente escuro e a sua produção é interrompida com a presença da luz.

A melatonina é a hormona que participa na organização temporal dos nossos ritmos, como vigília/sono, actividade sexual e de reprodução. Regula o ciclo sono-vigília – um padrão diário que determina quando é hora de dormir e quando é hora de acordar

Glândula Hipófise

A glândula hipófise é uma glândula, situada na sela turca (cavidade óssea localizada na base do crânio), ligada ao hipotálamo .
A hipófise é responsável por várias funções do organismo como  o crescimento, metabolismo, produção de corticóides naturais, menstruação, produção de óvulos, produção de espermatozóides e produção de leite após parto.

Glândulas Supra-Renais

As Glândulas Supra-Renais devem o seu nome ao facto de se situarem sobre os rins, tendo no entanto a sua função  pouca relação com a  destes órgãos.

As supra-renais são glândulas vitais para o ser humano, já que possuem funções muito importantes, como regular o metabolismo do sódio, do potássio e da água, regular o metabolismo dos carbo- hidratos e regular as reacções do corpo humano ao stress.

As hormonas produzidas pelas glândulas supra-renais são:

- Aldosterona: cuja função é a de reter o sódio

Cortisol: tem a função de tornar o nosso organismo capaz de  responder às necessidades de adaptação, como por exemplo adaptar  a  resposta  a uma situação de forte stress.

Adrenalina: é libertada depois de fortes reacções emocionais e provoca constrição dos vasos sanguíneos, aumento de pressão arterial e aumento da frequência cardíaca. Liberta glicose para o sangue e apresenta várias reacções que  permitem que, por exemplo, possamos ter  rápidas  respostas de fuga ou luta perante situações ameaçadoras.

Pâncreas - Glândula Pancreática

pâncreas é uma glândula de aproximadamente 15 cm de extensão e é geralmente dividido em  três partes, cabeça, corpo e cauda. Tal como disse inicialmente, tem funções endócrinas e exócrinas. Segrega o suco pancreático produzindo enzimas digestivas, como glândula exócrina, e como glândula endócrina produz hormonas importantes como:

-Insulina: Reduz a taxa de glicemia (taxa de glicose no sangue),faz a síntese de proteínas e  faz armazenagem de lípidos (gorduras).

-Glicagina:  Hormona produzida nas “Ilhotas de Langerhans”cujo “cansaço” leva ao aparecimento da diabetes.

-Somatostina: Hormona que controla a produção das outras duas, pelo que intervém   directamente  no controlo da glicemia.

TIMO

Órgão glandular endócrino transitório, próprio da infância, involui com a idade sendo substituído por tecido adiposo, o que resulta nos idosos em redução de produção de Linfocitos T( (Abro aqui um parêntesis para recordar que os linfocitos T são glóbulos brancos-leucocitos- responsáveis pela defesa do organismo de agentes desconhecidos (antigenes)) , essenciais aos sistema imunológico. Encontra-se localizado abaixo da traqueia, lateralizado pelos pulmões e confrontado na zona inferior e posterior pelo coração

OVÁRIOS E TESTÍCULOS

-Testículos: como glândula endócrina têm como função  produzir hormonas das quais a mais conhecida é a testosterona e sendo responsável pela  produção de  espermatozóides que faz parte do sistema reprodutor.

-Ovários são as glândulas endócrinas femininas. Permanecem inactivas até à puberdade, momento em que passam a desempenhar uma dupla função i.e. produção das células sexuais femininas ou óvulos e as hormonas femininas, estrogénios e progesterona que regulam o  aparecimento de caracteres sexuais e determinam o ciclo menstrual.

Esta actividade inicia-se na puberdade e cessa na menopausa.

GLÂNDULA TIRÓIDEIA

A  tiróideia  (termo derivado da palavra grega "escudo", devido ao seu formato) é uma das maiores glândulas endócrinas do corpo humano. É uma estrutura de dois lobos localizada no pescoço ( em frente à traqueia) e produz hormonas principalmente tiroxina (T4) e triiodotironina (T3) , que regulam  o metabolismo basal  e a maturação do sistema nervoso afectando  a funcionalidade  de muitos outros sistemas do corpo humano. O iodo é um componente essencial tanto da T3 como da T4. A tiróideia também produz a hormona  calcitonina, que desempenha  um papel muito importante no equilíbrio do cálcio.

Por detrás da Tiróideia existem  quatro pequenas glândulas,  as Paratiróides (visíveis na imagem acima) responsáveis pela regulação da quantidade de cálcio no sangue.

A glândula Tiróideia actua em praticamente todos os órgãos, pelo que vulgarmente é designada por o “combustível” do corpo humano.

Actua no coração controlando a frequência cardíaca, nos   intestinos  controlando os movimentos peristálticos e a frequência de evacuações, na temperatura corporal, no humor, na memória e noutras funções cognitivas. Actua ainda no osso, no músculo e no tecido adiposo.

As patologias da Tiróideia são diversas mas interessam-nos as mais frequentes que são:

-Hipertiroidismo  (tiróideia muito activa)

-Hipotiroidismo  (tiróideia  pouco activa)

 -Hipertiroidismo: Trata-se de uma produção excessiva de hormonas  tiroideanas designada por  (tirotoxicose) cujos sintomas são: -- nervosismo, palpitações, taquicardia,   fadiga, perda de peso com manutenção do apetite, transpiração excessiva, intolerância ao calor, instabilidade emocional, fraqueza muscular e diarreia . Os folículos hiperactivos crescem, devido ao aumento dos depósitos de tiroglobulina. Estas alterações causam um edema da tiróide conhecido como bócio.

A causa mais comum para o aparecimento de Hipertiroidismo é a Doença de Graves também denominada Bócio tóxico difuso, que é uma doença auto-imune.

Os sintomas da doença de Graves podem ser a protuberância dos olhos (exoftalmos) designada por Oftalmopatia de Graves e o espessamento da pele nas “canelas”, designado por Mixedema  prétibial.

A causa desta doença não é determinada claramente, mas acredita-se que tenha como origem razões de natureza genética e ambientais.

O aparecimento da doença pode ser despoletado por stress, uma infecção ou um parto. As pessoas com outras doenças auto-imunes como a diabetes tipo 1 ou artrite reumatóide têm maior probabilidade de desenvolver a doença de Graves.

O mecanismo da doença tem origem num anticorpo denominado Imunoglobulina estimulante da tiróide. Este anticorpo faz com que a Tiróideia produza hormonas em excesso o que de uma forma simples podemos descrever como “uma aceleração”das funções orgânicas em que a tiróideia participa. O diagnóstico pode ser despistado, primeiro por sintomas e confirmado com análises ao sangue. Quando a doença existe, geralmente os resultados revelam valores acima do normal de T3 e T4, aumento de concentração de radioiodo em estudos isotópicos  em todas as áreas da Tiróideia e a presença de anticorpos no sangue.

As principais opções de tratamento são três:

-Radioterapia

-Medicamentos

-Cirurgia à Tiróideia

A Radioterapia consiste na ingestão de iodo-131 (radioactivo) que se concentra na Tiróide e a vai destruindo ao longo de semanas ou meses.

Este tratamento irá provocar Hipotiroidismo que será tratado com a administração de hormona tiroideia sintética.

Os medicamentos como os betabloqueantes e os  antitiroideos como o metimazol permitem aliviar ou controlar  os sintomas temporariamente.

Os olhos podem precisar de tratamento específico.

A doença é 7.5 ( sete vezes e meia)  mais comum entre mulheres do que entre homens. Aparece geralmente entre os 40 e os 60 anos, mas pode aparecer em qualquer idade.

Olhos Exoftalmos

Bócio

Tiroideia com volume aumentado

Hipotiroidismo: Trata-se de uma alteração no funcionamento da Glândula Tiróideia, caracterizada pela redução da sua actividade. Quando ocorrida em adultos tem a designação de  "mixedema" Pode ocorrer durante a gravidez e quando não diagnosticada, pode causar atrasos no desenvolvimento do feto, situação  denominada  "cretinismo".

A causa mais comum para o aparecimento da patologia, em todo o mundo, é a deficiência de iodo na dieta alimentar.

Uma vez que o iodo é necessário para uma função tiroideia normal, as dietas deficientes em iodo reduzem a actividade funcional da glândula tiróideia.  A hormona  tiroxina não iodada, produzida devido à falta de iodo, não permite o cumprimento competente da função da tiróideia. As dietas devem ser equilibradas para  se tentar não  produzir os referidos desequilíbrios, mas o equilíbrio é difícil, pois o excesso de iodo, provoca igualmente hipotiroidismo.

Depois da deficiência de iodo, a razão maior para o aparecimento de Hipotiroidismo é a doença auto-imune designada por, Tiroidite de Hashimoto. Como doença auto-imune, produz anticorpos que provocam a destruição das células da glândula tiróideia levando ao Hipotiroidismo.

A prevenção  do Hipotiroidismo ao nível geral é feita com  a iodização do sal, podendo ainda ser tratada com a hormona sintética levotiroxina.

Os seus sintomas incluem letargia, intolerância ao frio, lentidão nas capacidades intelectuais e motoras.  Na derme, provoca, por vezes, inchaço e, em alguns casos,  aumento de peso.

A doença auto-imune de Hashimoto nos seus sintomas pode ser confundida com uma depressão , pois pode revestir nervosismo, inquietação, ataques de pânico  bem com ansiedade generalizada. É importante que não sejam tomados antidepressivos,  que,  piorarão a situação.

O Hipotiroidismo afecta mais os idosos que o Hipertoroidismo, por  isso, e por não haver forma de o evitar completamente, deixo apenas a sugestão, que encontrei, de alimentos  ricos em iodo que podemos usar na nossa dieta alimentar, como auxiliares para um bom equilíbrio, da Tiróideia, são eles:

Bacalhau; Camarão; Cavala; Ameixas secas; Feijão branco; Atum em conserva; Leite; Bananas; Yogurte natural; Milho em conserva; Morangos;...

Colegas, a lista é extensa e alguns alimentos escuso-me de enumerar dado que certamente já farão parte da nossa dieta, como por exemplo,   a Lagosta!!!

Suzete Rego

15-10-2018

Um comentário em “A Glândola Tiroideia”

  1. Agradeço ao colega José Mota toda a sua atenção na leitura do site do Curso de Saúde. Segui o seu pedido, ouvir a opinião do nosso Prof Doutor Carlos Ribeiro sobre uma pequena falha de escrita deste artigo, no ponto que referiu. Pois, prontamente concordou com a correção e parabéns.
    Já atualizei o artigo e agradeço uma vez mais o seu cuidado e interajuda, sempre que possível. LB

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.